top of page
Buscar

Martín Chambi


 
Martín Chambi, fotógrafo peruano


O retrato andino de Martín Chambi



Olá pessoal,


Esse é o primeiro texto de uma série onde eu vou falar sobre fotógrafos e sobre fotografias.


Essa série acontece entre a quarta e quinta temporada do podcast Arquivo Raw, e eu decidi fazer esse conteúdo para não deixar vocês órfãos do podcast, enquanto a nova temporada não estreia.


E eu quero começar pedindo para você seguir o Arquivo Raw no Instagram, para ficar informado sobre o que vai rolar no podcast, incluindo quando vai estrear a nova temporada.


E também quero lembrar que ainda têm alguns exemplares dos meus fotozines para venda. Basta conferir nos stories afixados no perfil do Instagram do Arquivo Raw, selecionar o título que você quer e mandar uma DM por lá para garantir o seu e ajudar a manter o podcast no ar.


Mas, chega de conversa e vamos lá.


Hoje eu vou falar sobre o Martín Chambi, um fotógrafo que eu simplesmente adoro o trabalho.


Mas vamos pelo começo.


Puno e Carabaya

Martín Chambi nasceu na região de Puno, no Peru, próximo ao lago Titicaca, no ano de 1891, e é considerado um dos maiores fotógrafos peruanos do século XX e um dos maiores fotógrafos do mundo.


Aos 14 anos ele mudou com a família para Carabaya e começou a trabalhar em uma mina de ouro, junto com o seu pai.


Foi nesse trabalho que ele teve seu primeiro contato com a fotografia, observando os engenheiros responsáveis pela mineração, que usavam uma câmera de grande formato e chapa de vidro para registrar o trabalho de escavação.


Arequipa

Chambi se apaixonou pela ideia de fotografar e decidiu que era isso que ele queria fazer da vida, então quando completou 17 anos ele mudou para Arequipa, que naquela época, em 1908, era um polo de fotografia de estúdio. Alguns grandes fotógrafos peruanos do início do século XX iniciaram seus trabalhos por lá.


Um deles foi Maximiliano Telésforo Vargas, conhecido como Max T. Vargas, de quem o Chambi foi aprendiz e com quem ele aprendeu uma série de técnicas fotográficas que depois iria aplicar em seus trabalhos.


Aliás, uma das grandes sacadas do Vargas na fotografia, que o Chambi incorporou, foi criar cartões postais com o seu trabalho (que ele mandava imprimir na Alemanha) e que vendia em seu estúdio.


Cusco

Voltando ao Martín Chambi, por volta de 1917 ele mudou para Cusco, onde abriu um estúdio fotográfico e trabalhou fazendo retratos individuais, comissionados e em grupo.


Mas paralelo a isso ele começou a viajar pela região, fotografando a paisagem andina, as ruínas incas - incluindo Machu Pichu, que havia sido descoberta apenas alguns anos antes -, as festas e tradições populares e, principalmente, o povo, registrando os mais variados tipos e núcleos sociais do Peru.


É aqui que Martín Chambi tem uma atuação importante na história, não só da fotografia, mas da América Latina e do povo peruano. São dele algumas das mais importantes fotografias da população indígena que habitava os andes. Uma população na qual ele se reconhecia e da qual ele fazia parte. Chambi era de origem indígena Quechua, que é um povo tradicional andino.


Ele fazia retratos que não eram estereotipados com a visão europeia do povo pré colombiano e tinha um olhar de ternura para com o seu povo. Era como se ele estivesse retratando a si mesmo.


Uma das frases mais famosas dele é: “minha gente fala através das minhas fotografias”.


Lembram que ele também fazia postais de seu trabalho, coisa que ele aprendeu com o Vargas? Então. Os postais do Chambi fizeram um enorme sucesso porque mostravam o cotidiano das paisagens, ruínas e do povo andino, que era exótico para os europeus, mas que era mostrado de maneira singela e autêntica pelo Chambi.


Retrato

E era no retrato que ele se destacava, principalmente nos retratos coletivos.


Como ele se esmerava na perfeição dos detalhes, mesmo que o retrato mostrasse inúmeras pessoas, cada personagem também é um retrato individual, com características únicas e com sua própria identidade.


A organização que ele fazia dos grupos, que era uma organização hierárquica, ressalta também essa construção da sociedade.


As fotos de Chambi mostram grupos organizados de forma a criar linhas e triângulos, posicionando os personagens para montrar um retrato coletivo uníssono, mas com essa hierarquia ainda visível.



Note como ele usa a construção para criar essa composição em triângulo, com o primeiro plano mais leve mostrando guardas deitados, seguidos por músicos da banda da tropa e familiares dos soldados, e termina com uma postura mais rígida.


Ou ainda uma de suas fotos mais famosas - e que eu simplesmente adoro -, o casamento do prefeito de Cusco, fotografada em 1930.


Perceba a composição em triângulo da imagem, mas com a ponta em primeiro plano (trazendo a hierarquia da figura do prefeito para a frente), e como ele explora a sombra mais densa e o branco mais alto, fazendo um degradê muito suave na passagem entre as luzes mais altas e mais baixas.


Em 1979 o MOMA (Museu of Modern Art, NY) fez uma exposição póstuma, dedicada ao trabalho do Chambi e essa foto, a foto do casamento do prefeito de Cusco, Julio Gadea, foi considerada uma das maiores fotografias do século XX.


Legado

Martín Chambi morreu em 1973 e deixou um legado único com cerca de 30 mil negativos que retratam a cultura do povo andino, muitos deles ainda inéditos.


Infelizmente o site do arquivo Martín Chambi não está mais online, mas se você quiser conhecer um pouco mais do trabalho desse fotógrafo incrível, eu deixei aqui no fim desse texto os links que eu utilizei na minha pesquisa para esse episódio e também o link do MoMa e do Instituto Moreira Sales, que têm fotografias do Chambi em seus acervos.


E se algum dia você estiver visitando o Peru e passar por Cusco, procure pelo Arquivo Fotográfico Martín Chambi, que é mantido pelo neto dele. Dá para fazer uma visita bem legal por lá.


E é isso pessoal, espero que vocês tenham curtido esse conteúdo e fiquem ligados que em breve eu volto com mais nessa pré-temporada do podcast.


Fiquem bem, até a próxima. Ciao!



 

Links de pesquisa utilizados neste episódio





Links para trabalhos de Martín Chambi



 


Retrato do fotógrafo Henry Milleo

Henry Milleo

Fotógrafo

Editor de Fotografia

Criador do Podcast Arquivo Raw


Comments


bottom of page